24 julho 2009

O par imperfeito


Essa semana me fizeram uma pergunta que não escutava desde a quinta série: se acredito em alma gêmea. A resposta é não, não acredito. Já quis acreditar, em algum momento, e mais: acreditei. Pronto! Tive de confessar. Naquele tempo eu ainda achava a vida um parque de diversões e par perfeito era alguém capaz de satisfazer os meus caprichos de menina inexperiente e boba.

Demorou um pouco até chegar à reflexão de que num mundo de bilhões de habitantes parecia um tanto limitado o pensamento da “pessoa da minha vida” morar no mesmo bairro, estudar na mesma escola, frequentar os mesmos lugares frequentados por mim ou até esbarrar comigo casualmente. A probabilidade matemática é cruel com os sonhos de toda a gente. Também apareceram as paixonites passageiras – que eram o máximo – e passei a olhar ao meu redor e buscar algo tátil, really, sem os idealismos do perfec pair. Vivi.

É claro que depois de uns anos a vida traz – ou então se vai buscar – alguém seguro, como um porto, para ancorar. Essa pessoa é um amor, porém, vem cheia de defeitos de fábrica, alguns deles irreparáveis, e é feita de carne e osso: diz frases bonitas, xinga, orgulha-o por algum motivo, bebe e dá vexame, ajuda na faxina de casa e esquece a data do seu aniversário. Com ela você começa a perceber que também não é perfeito e não faria sentido ficar buscando perfeição nos outros.

Na verdade, existe o par imperfeito e é com ele que vou passar os momentos mais mágicos e chatos da vida. Chorar na crise, dividir expectativas de algo que nunca se realizará, ser feliz. Nada de “feliz para sempre”. Feliz, até que venha outra tristeza, para não nos arrebatar. E olha que eu continuo inexperiente e boba, mas não para essas coisas de menina.

Imagem: Google Imagens.

7 comentários:

Rafael Belo disse...

E é um tédio com certo charme (risos) Viva o Amor imperfeito! Porque a perfeição sim é tediosa e um verdadeiro saco -de cobras venenosas. beijos lindaa.

Rafael Belo disse...

"Cabuloso, fácil..." Era você cantando com a voz rouca e sexy ? (risos) FUi em um cshow que a Ana Canhãs fazia várias participações especiisl junto com Toni Garrido. O Show: Paralamas do Sucesso. Tenh oque concordar é a melhor Banda do brasil hehee. é bom ouvir tb beijos querida

Anônimo disse...

Isolda,

Um dia, meu par perfeito,
Que descia tão redondo,
Transformou-se em marimbondo...

Agora, livre inchaço,
Estou encontrando um jeito
De amar meu par imperfeito.

Abraço pajeuzeiro e tabirense!

Eduardo Leite disse...

Eu pensei nessa coisa de alma-gêmea essa semana e tive esse mesmo pensamento que você. Minha alma-gêmea, se existisse, deveria estar lá pras bandas da ásia e não aqui em maceió. Até escrevi no twitter que se alma-gêmea existisse, encontrar a sua seria como ganhar na loteria ou até mais. Enfim, mais uma vez, você está de parabéns, isolda. Eu adoro o que você escreve. Beijo.

Roberto Kuelho disse...

É verdade... esa coisa da alma gêmea confeso q já pensei carinhosamente nela. Sonhei bonitoooo, mas isso eu tinha doze anos.
Hoje vejo que que terei q adequar minha realidade a ela.

julio onofre disse...

rapaz vou-lhe ser sincero. Alma gêmea é um termo forte, confesso, mas acredito no complemento amoresco. Aquele que falta quando está longe. Que as máquinas da cabeça dão um prego quando se está com saudade. Isso eu acredito. Ah se acredito.

Norma Spagnuolo disse...

Ola Isolda
Se nosso ideal de amor romântico já é falho, de contos de fadas, imagine como seria ter alma gêmea...rs
Além do mais, me assusta a idéia porque não ia querer passar a eternidade com a mesma pessoa e nem a pessoa ia ficar confiante de que eternamente seria bom estar comigo. Sem contar que alma gemea levaria a uma espécie de simbiose eterna onde ninguém aprendereria coisas novas que aprende-se com parceiros que não são nossos gêmeos.
Bom é do jeito que é: tá ruim, mas tá bom.... e assim caminha a humanidade ehehehe