07 fevereiro 2010

O coração e suas vaidades

Ele sempre teve certeza que a amava, desde a primeira vez que a viu, embora não houvesse em si inclinação alguma para crença nos amores à primeira vista. Amou-a e ponto final, sem querer extrair lógica de nenhuma outra premissa. E amava – como amava – seus cabelos, suas horas sem ponteiros, o balançar dos seus braços quando falava (ainda que ela só falasse e falasse, a dizer nada).

Amava-a por gostar de lhe ter na outra ponta do travesseiro quando acordava – ah, ele sempre despertou mais cedo, quiçá, para ver que ela ali, rendida, era ainda mais linda. Aquele amor tinha a inocência de uma criança, apesar de serem adultos quase todo o tempo. Nem por isso seus beijos deixaram de ter gosto de maçã do amor e os frios na barriga eram como antes – parecido com andar de roda gigante.

E aceitava os defeitos dela com a complacência de um louco varrido. Atirava-se em suas redes e precipícios – sem intervalos para o almoço e outros vícios do anonimato falido. Amou aquela mulher como se o mundo fosse terminar amanhã. Mas os dias se estenderam por toda a vida. Amava e, do amor, fez-se o marido. A existência ganhou sentido nas fotografias. E amá-la foi ficando raro porque o amor, talvez, nunca existiu, não existia. Existe a interpretação do amor. Por vezes vadia.

Ficou a odiar seus vestidos e bordados. Os quadros pendurados, sofás e cristaleiras. Mas os netos já chegavam às sextas-feiras para os fins de semana mais agitados. Achou que não havia idade para amar com verdade. E passou a criancice e os sonhos da mocidade.

Imagem: Google Imagens.

7 comentários:

Rafael Belo disse...

UU análise profunda de um disfarçado sentimento vadio que se fez do "amor". Sumida querida, por que? Beijos e saudades Is. ótima semana

Jamylle Bezerra disse...

Ah... o amor! Uma caixa de sentimentos bons e ruins que fazemos questão de guardar em nossos corações. Às vezes, é a parte boa que aflora, outras, a ruim. Como entender o amor?

pccomando águia dourada disse...

Jornalista, fotógrafa, poeta, escritora? Bem é uma promissora trajetória. Sucesso
Aparecida

pccomando águia dourada disse...

Jornalista, fotógrafa, poeta, escritora? Bem é uma promissora trajetória. Sucesso
Aparecida

Clauderlan Vilela disse...

Bem vinda de volta, Isolda!

E parece ter chegado com todo gás...
Belo texto!

Ah, "Reflexões de um olhar" está de endereço novo: reflexoes-de-um-olhar.blogspot.com.

A sua presença é sempre bem vinda.

Neto disse...

Mais um texto bonito e interessante.

Fiz uma reescrita do seu texto anterior e publiquei-o no meu blog. Vim agradecer por sua autorização.

Obrigado!

Neto disse...

Ah, e tambem já lhe adicionei pelo twitter! :)

Abraços