10 março 2010

Meu pecado, seu perdão

Sempre achei uma dificuldade essa coisa de perdoar. E não que as pessoas tenham me machucado tanto – geralmente dou pouca abertura para que isso aconteça ou como diz mamãe “sou uma ostrinha”, pois prefiro guardar sentimentos a me abrir, de forma fatal, a eles. Mães têm essa mania de eufemismos bonitinhos, não é? A minha também. Mas meu assunto inicial não era ela – lembra? Falava de pecado e de perdão.

“Perdoar é o mais sensato”, profetizam aqueles que desejam desfrutar do benefício. E realmente deve ser verdade que tirar o peso de uma grande mágoa das costas é o mais inteligente a se fazer no final das contas. Mas vai dizer isso a um coração em pedaços... Vai convencer uma pessoa pisada, humilhada em suas origens, a dar de veredicto um “sim, eu perdoo”, como se virasse uma página, simples feito respirar. É quase desumano, de tão bom.

A verdade é que nunca perdoei alguém por um mal que me fez, porque não esqueço. Eu sei que isso é feio, rancoroso e até escuto quando dizem que será a minha porta de entrada no inferno – alguém já me disse isso com a segurança de quem convence o outro com frases bestas. Tento compreender opiniões muito diferentes das minhas ou ouço por educação, ainda sabendo que expressam nada de mim e do meu sentir. E admito que não daria a outra face – para o delírio dos que me julgam e condenam como se para eles não houvesse condenações.

Se eu gostaria de reverter a situação e amanhã me tornar alguém mais benevolente? Jamais. Ora, minha vida é essa estrada feita também dos “nãos” que já distribuí por aí. E como se faltasse uma contradição qualquer nessa reflexão de agora: perdoe-me todas as vezes em que eu não for capaz de perdoá-lo – por desespero, insegurança, essência, vaidade. Ou apenas porque sou essa pessoa ruim que você ama mesmo assim.


Mais fácil sofrer, difícil é perdoar
(Emmanuel, psicografado por Chico Xavier)


Imagem: Google Imagens.

7 comentários:

Eduardo Leite disse...

É muito fácil dizer para os outros perdoarem, mas eu tenho certeza como quem sai por aí proclamando o perdão não perdoa todo mundo. Não tem como. Mesmo que você fale que perdoa, ainda fica a mágoa. E se a mágoa continua, quer dizer que não se perdoou de verdade.

Mais uma vez, um texto incrível. Eu me identifiquei totalmente com esse.

Beijos

Fabiana disse...

Eu já sou diferente,perdou mesmo! Esqueço e não tenho magoa ou ressentimentos, essa é minha essência. Eu creio que a vida já é tão curta, pequena, já tão complicada que não tenho tempo para ficar me lamentando. O ser humano é complicado. As pessoas são injustas, e as vezes as coisas acontecem sem que nem damos conta, num piscar de olhos. Para mim a vida é bem mais que isso. Mesmo que a mágoa continue no coração de quem não consegue perdoar, mesmo assim perdoe, com certeza essa mágoa desaparecerá!

Admiro muito vc!

Bjocas!

Vítor Luz disse...

Gosto da Isolda, gosto da maneira como ela manipula das palavras resultando em uma ideia altamente acreditável...
Gosto dessa sua sinceridade impar, gosto de você.
So não gosto dessa sua insistência em não perdoar, é tão mais fácil viver a vida sem estar amarrado a outras pessoas!

Amo você pelo que você é, perdoando ou não...
Mas acredito que perdoar é uma atitude...

Deus me perdoo, quem sou eu para não perdoar as pessoas...

=**

Amo você minha gostosa!
E lhe perdoo por não perdoar as pessoas que so esperavam um perdão seu!
=*

Rafael Belo disse...

Se vc for ruim a ruindade tem outro significado e eu também o sou. Ah, Is é da personalidade de cada um tb... do toque do sentir... Bom eu "perdoo" fácil e estou pronto para dar a otura face ,as mnunca precisei. às vezes o perdão demora anos pra sair... beijos Is querida sempre perdoada por mim :D

Adriana Calábria disse...

Mais um dos teu textos maravilhosos!Dificil não gostar da tua escrita mesmo que não me identifique...
Eu perdoo fácil. Porém não sou tão altruista assim. Acho que todo mundo merece uma segunda, terceira e até quarta chance...
Mas quando eu chego no meu limite eu não só perdoo,como esqueço o erro e deleto a pessoa de vez!

bjssss

Deise Anne disse...

Eu penso que perdoar é mesmo difícil, não importa se quem nos magoou pediu desculpas pelo que fez ou não.
As pessoas gostam de julgar quando não perdoamos, mas o fato é que cada um sabe o quanto dói ser magoado e se fechar é só uma forma de se proteger.
Belo texto!

Isolda,
Tem um selinho pra você lá no blog passa lá pra buscar.

Beijos

Clauderlan Vilela disse...

O perdão é sempre uma questão delicada. Há quem jure ser capaz de dá-lo sem ressentimento e há quem não conviva com ele muito bem.

Eu, felizmente ou infelizmente, acabo esquecendo... E perdoo... E sigo em frente...