03 março 2010

Dores de amores não-correspondidos

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
(Quadrilha, Drummond)

Amar quem ama outro alguém é uma situação tão problemática que deveria ser proibida. Por lei. Mas como a proibição é apenas um devaneio meu, as pessoas continuarão cometendo esse erro camuflado de acerto pela presença do verbo amar, que encanta de qualquer maneira. Agora a pouco, ouvindo pelo rádio uma música dessas que toca o tema, resolvi escrever algo sobre. Não que isso vá servir para alguma coisa ou mesmo console as minhas perdas.

Sim, eu também amei sem que o outro tivesse disponibilidade para ser o meu bem – como não? Sou gente: choro e fedo como todo mundo*. Naquela época fiz muita poesia, até música; temo ter alcançado ali o auge da inspiração, hoje inatingível. O restante foi dor e não tenho saudade. O outro sabia do meu sentimento desde sempre, por não se tratar de amor platônico e sim não-correspondido, mas – pobre diabo! – nada podia fazer. Amava outra e fim de trama.

Claro que quis matá-la, tantas vezes; ainda quando convicta de que nem usando todo o meu estoque ralo de coragem seria capaz. E mesmo que conseguisse não se mata um amor e, simplesmente, planta outro no lugar. Ele não me amaria e não digo isso como quem desiste de disputar um prêmio concorridíssimo; digo como quem sente que não é o tipo de pessoa amável para certos tipos de pontos de vista.

Em contrapartida, não pude amar todas as pessoas que me amaram. Não que tenham sido tantas, apenas existem ou existiram. E se eu resolvesse entregar esse texto a cada uma delas, como uma desculpa travestida de justificativa, de nada ajudaria. Tampouco diminuiriam suas dores de amor.

* inspirado em trecho da música Você se parece com todo mundo, de Frejat e Cazuza: "Você empresta e cobra/mais tarde com juros/ Você chora e fede como todo mundo".

Imagem: Google Imagens.

6 comentários:

Eduardo Leite disse...

Realmente, a quantidade de músicas feitas inspiradas em amores não correspondidos é imensa. Mas também, pudera, quem nunca se sentiu assim?

Rafael Belo disse...

Ah, dores de amor a evolução dos poetas o encontro da arte heheeje a vontade expressar o sentimento sobre. Belo post querida e mais próxima Is. beijos bela.

Fabiana disse...

E quem nunca passou por isso? E se não fossem as músicas...

Barbara Bastos disse...

Bom, bom, bom...nem sei por onde começar...
Vamos lá: o tema deste post é tudo de bom!!!
Mas não é só isso. Suas palavras são muito sinceras. Me identifiquei muito com teu texto, principalmente quando disseste: "Em contrapartida não pude amar todas as pessoas que me amaram."
Amei!!!
Vou te seguir.
Passa lá pra conhecer minha "casa"
bjs

Becca (Flor) disse...

"não se mata um amor e, simplesmente, planta outro no lugar. Ele não me amaria..."

triste, mas verdadeiro, até chega a doer.

Anônimo disse...

é pois é, é assim q acontece a gente ama e depois descobre que ñ é correspondida...nossa a doe é imensa ...o pior é quando a pessoa sabe....e nem liga e despreza o amor q a gente sente por ela...e ainda fica zuando...como se amor fosse brincadeira.....é amar ñ é facil....ainda mais quando ñ é correspondido...