04 abril 2010

Ah, as ilusões...

Vezenquando eu tenho saudade de ser adolescente e acreditar que: o mundo pode ser meu, nenhuma religião está correta – exceto a minha –, já encontrei o tal amor para a vida inteira que as revistas femininas prometem. Como se essa coisa de crescer e, fatalmente, amadurecer fosse algo anormal e roubasse as expectativas de dias melhores apenas porque tira as pessoas do centro dos seus próprios mundos.

Aí vem a vida de verdade dizer que o mundo é de ninguém (ou, na melhor das hipóteses, é de poucos), religiões são manipulações, grandes amores acabam nem que seja para dar espaço a um novo amor que está por nascer. E meu instinto protetor – de mim mesma – diz que o bom seria ser quem fui um dia e não essa de agora; que melhor viveria sendo criança para sempre e dita outras impossibilidades. É então que me questiono sobre viver de verdades ou de ilusões e talvez dê alguns passos à frente na discussão, mas não muitos.

Todo mundo gosta de ilusões e se apega a pelo menos algumas delas. Mesmo aqueles que têm sede de realidade, ou dizem tê-la. E que ninguém me alfinete por estar atacando “sonhos”, pois não estou e não há ilusão que se confunda com o sonho – este impulsiona o ser humano às mais fantásticas conquistas. A ilusão, pelo contrário, faz o sujeito permanecer preso ao imaginário, ao quase impossível, e se apegar à ideia besta – e nada provável – de que aquilo pode realmente acontecer. E tudo o impede de ver que no fundo no fundo é como se todas as ilusões nascessem para jamais deixarem de iludir.

Mas ai! que a realidade por vezes se apresenta tão áspera que até já sou capaz de admirar os que vivem de ilusões e são felizes ainda assim. Embora eu não consiga e isso possa me custar a bagatela de ser infeliz.

7 comentários:

Rafael Belo disse...

Olá querida, saudades tuas hehe. Foi uma Páscoa feliz pra ti, Is? "é como se todas as ilusões nascessem para jamais deixarem de iludir" às vezes é só o alimento da alma porque um sonho não custa nada e para ser infâme vai a piada da padaria dramática: "Tem sonho...?" "Não!... O sonho acabou" besouros hehe Linda falei sobre sonhos e aidna termino amanhã ou terça ehhe beijos belíssima. ótima semana

Clauderlan Vilela disse...

Acho que as ilusões e os sonhos sempre estão dentro de nós, de uma forma ou de outra...

Mas acredito que o desafio é aprender a viver (leia-se sobreviver) e a sorrir ainda que saibamos que a realidade não se parece em nada com um sonho.

Eraldo Paulino disse...

Preciso dizer que você está de parabéns? Não, né? Mas como não sou lá muito obediente vou falar: Parabéns!

Por que as pessoas se apegam a tantas ilusões para serem felizes? É como Belchior falava, o nosso delírio verdadeiro é a experiência com as coisas reais.

Bjs recheados de admiração!

Vítor Luz disse...

Euuuu acho, eu penso e eu quero conhecer essa Isolda so passado... Essa de hj é complexa d+++ \0/ Deus me livre... Ela fica colocando pra fora através das palavras e verdades dela essa perspectiva de mundo em pequenas cores!

Isoldinha, amo vc!
Ainda lerei um texto mais claro, colorido, animador e inspirador =**

Richard disse...

Pois é, Isolda! Por isso que sempre escutei que nunca seremos totalmente felizes.
Viver na ilusão é bom, mas a tristeza é ainda mais profunda quando subitamente voltas à realidade!

Deise Anne disse...

Ahhh, eu não acho que você é infeliz por encarar a realidade... Você é lucida e, na verdade, as pessaos adoram viver de ilusões e não sabem enteder bem quem enxerga as coisas de verdade...
Você deve se orgulhar de sua lucidez e não deixar que ela te amargure.

Beijos Isolda!

Anônimo disse...

Deise Anne,

A lucidez corajosa,
Mesmo sendo amargurada,
Mede o carater de quem
Mete, firme, o pé na estrada.
Meu sonho é que DEUS, meu tudo
Não me abandone em meu nada.