13 junho 2010

Essa coisa, o futebol

O que entendo de futebol é nada – ou quase nada depois que meu namorido conseguiu, de uma vez por todas, enfiar na minha cabeça o que é impedimento. Mesmo assim preciso dos recursos da tecnologia, como uma câmera extremamente lenta, para identificar o lance que a olho nu (pelo menos ao meu olho nu) passa fácil pela desatenção e faz o gol. Mas parece que em tempos de Copa do Mundo entender o futebol é secundário, vele mais partir para o romantismo e sentir as emoções que a modalidade pode proporcionar.

Sim, eu sei que muita gente repudia o “torcedor de última hora” que só se entusiasma em mundiais e equivalentes badalações, como se futebol fosse apenas para os fiéis batizados – como são os deuses de algumas igrejas. Eu rio disso tudo e vou me uniformizando sem dar muita trela para a conversa. Sou nordestina, pobre e mulher. Já devo ter aprendido a lidar com algumas formas de preconceito.

Gosto de torcer, é verdade, pelas coisas que acredito, por aquelas que desconfio e até pelas que o mundo não vê com muita credibilidade. O futebol da seleção brasileira é questionável? E qual futebol não é? Ainda bem que meu espírito de torcedora não se abala pelos rumores de derrota, apenas pelas derrotas concretizadas e nem chegamos lá. Aliás, sequer começamos e me irrita a postura de alguns brasileiros que se comportam como um Narciso às avessas, cuspindo na própria imagem, como já ouvi alguém, que não lembro quem, dizer por aí. Contudo, é bom deixar essas birras de lado, o jogo está prestes a começar.

É claro que o futebol brasileiro não resolverá as mazelas do Brasil como a miséria, a fome, a má educação e a falta de caráter de seus governantes. Mas se qualquer pessoa precisa de uma válvula de escape para as realidades cotidianas, uma nação também precisa e isso tem que ser algo grandioso e coletivo, como uma Copa do Mundo. Que sendo sobrenatural não deve se neutralizar pela dureza do real.

Imagem: arquivo pessoal - as meninas da Seleção JL; eu com a bola na mão e o futebol no coração. Torneio do Trabalhador, 1º de maio de 2010. Levamos o caneco por 4 a 1 em cima do time de O Jornal.

10 comentários:

Salomão Miranda disse...

Hum... Isolda jogando futebol... Será que presta?

Não vejo nada de errado em torcer pelo Brasil; apenas não simpatizo com a verborragia midiática que fica sem fôlego de tanto falar de copa. Mas tem audiência, né? Muitos esquecem disso...

;)

Jamylle Bezerra disse...

Concordo com vc Isolda. Temos mais é que torcer mesmo, entendendo ou não de futebol!!!

Falei sobre isso no meu blog também... :)

Beijos

Eraldo Paulino disse...

Existem poucas unanimidades no munso, e uma delas é a Copa do Mundo...
Não dá pra negar que nessa época tudo fica muito diferente, e, independente do que se conhece por futebol, todos os brasileiros se apegam à amarelinha...

Gosto muito desse clima

Bjs!

Clauderlan Vilela disse...

Ah, o futebol...

Esta seleção pode até não ter o brilho de outrora. Mas ainda pode encantar.

Estarei na torcida.

Rafael Belo disse...

Torcendo e torcendo o nariz pra tanto comentarista infeliz hauahau CALA BOCA GALVÃo! Bolera és tu, IS? rsrss belo texto, assino embaixo :D

Rosa Mell disse...

Eu continuo Torcendo muito, pelo Brasil, pelos meu ideais, pela vida. Sem falar que adoro Futebol.

Rosa Mell disse...

Eu continuo Torcendo muito, pelo Brasil, pelos meu ideais, pela vida. Sem falar que adoro Futebol.

Eraldo Paulino disse...

Assino embaixo, minha querida. Infelizmente, parece que torcer está ficando a cada dia mais sem graça... As pessoas levam o esporte a sério demais. Não era pra ser diversão?

Bjs!

Yuri disse...

Isolda:

Gostei do texto!

E olhe que nem gosto de futebol.

Mas sou brasileiro mesmo assim (rs).

Pela foto, você põe a jogadora Marta no bolso.

Ou melhor, na "mala futebolística".

Por ora é isso. Abraço do Yuri Brandão

jefhcardoso disse...

Não vejo nada de errado em torcedores de ultima hora. Nesta Copa, a Déia comprou bandeiras, vulvuzelas, pintou as crianças e fez guloseimas para assistirmos os jogos. Com a sala enfeitada e todos a carater, fizemos a festa e foi uma delícia. Aproveitei a ocasião e pedi para ela fazer a mesma coisa quando o Palmeiras jogar. É muito chato assistir sozinho a jogos de futebol.
Jefhcardoso do
http//:jefhcardoso.blogspot.com