21 outubro 2010

Contradições

Sim, a vida é boa. É preciso que façam um esforço muito grande para me convencer do contrário. E fazem. Mas ainda sou como aquela música do Zé Keti: “podem me prender, podem me bater, podem até me deixar sem comer, que eu não mudo de opinião”. Sei que os dizeres são truculentos – embora a história explique que a real truculência vinha do lado oposto de quem cantarolava os versos – porque ser flexível é mais moderno e moda agora é estar maleável.

Apesar do meu instinto de resistência – que é parecido com o seu – tenho que admitir o quanto já mudei em relação ao mundo, em relação a tudo o que vivo, sinto ou apenas imagino. Ou seja: longe do discurso (e do primeiro parágrafo) eu mudo de opinião, claro, só é problemático assumir isso diante das outras pessoas pelo simples fato de que desejo estar sempre tomando as decisões mais acertadas – o que é humanamente impossível. “Graças a Deus”, diria um amigo que inclui deus em qualquer discussão, mais besta ela seja; pondo, desta maneira, seu santo nome em vão. Coisa que ele também vive a apregoar: é pecado.

Acho que todo mundo é essa grande contradição quando pensa, vive, age (em torno de si e na direção dos outros). Também dizem que isso auxilia no processo de evolução da espécie, produz lotes de seres humanos mais bem preparados para encarar as intempéries da existência. Eu prefiro ser menos complexa, até quando a simplicidade custa mais caro e é mais difícil de carregar a duas mãos.

É, quem sabe a vida seja mesmo ruim. Desde que o samba é samba é assim.

Imagem: Google Imagens.

3 comentários:

Clauderlan Vilela disse...

O ser humano é por essência imperfeito. Um conjunto de sensações e sentimentos. Desejos. Estímulos. Angústias. Pressões. A contradição é natural. O erro é intrínseco. Nada mais que uma simples complexidade ou uma complexa simplicidade (com a licença dos usos e dos abusos). Basta ver a imagem principal de seu blog (o garoto no barco). O que representa? Paz. Desesperança. Para mim é tudo. O complexo e o simples em um só. Além do mais, de nada significaria a felicidade sem o seu contraponto.

Helena Frenzel disse...

Contradizer-se, assumindo consequências, é um caminho rumo à coerência, não? Somos eternos 'mutantes'! É bom que seja assim. Bom, assim vejo, por enquanto... Belo texto, Isolda.

Rafael Belo disse...

Contradição, imperfeição assim somos e a vida não é ruim , nós o somos ,mas depende das nossas escolhas e atitudes... Bel otext oquerida saudades de escrever e visitar rs beijos IS