02 novembro 2010

Pequeno desabafo sobre vida a dois

Casamento é coisa complicada. Duvida? (e você tem pleno direito de duvidar) Case-se e confirme: nem os primeiros meses são fáceis. Aliás, passado o revigorante efeito sexual da lua-de-mel (se houver lua-de-mel) a vida entra numa rotina impiedosa de ver se o carro do lixo já passou, se as portas estão bem trancadas; de criar uma confusão dos diabos pela toalha molhada em cima da cama, pelo sapato fora do lugar, pela roupa no chão, pelo controle remoto sobre o fogão ou a máquina de lavar...

As cobranças sociais também aumentam, claro, já que você é uma mulher casada e não pode sair por aí se dando ao desfrute. Sua maior vontade vai ser mandar todo mundo à merda, já que ninguém paga suas contas, como é habitual argumentar, embora muitos ajam como se pagassem. As pessoas querem saber por que você e seu marido, mesmo casados, não usam aliança. E por qual razão não encomendaram o primeiro filho – sugerindo, de leve, que alguém ali deve ter “problema”. Pedem que contribuam com salpicão na festinha de natal do condomínio – e lhe convocam para ajudar a enrolar os docinhos da sobremesa.

Tem ainda a família de um e a família do outro que insistem em meter o bedelho na mais do que íntima relação de marido e mulher com métodos que variam de visitas semanais a telefonemas diários. Inevitavelmente você vai jogar na cara do companheiro que a mãe dele é um saco e, de revide, ele vai inventar qualquer adjetivo para depreciar seu pai. Casamento é mais ou menos isso, sufoca e há momentos que só uma palavra salva. Jesus não: putaquipariu. Ou ele dorme na sala ou no meio da noite os dois se matam.

De todo modo: case-se. Não dê ouvidos a essas baboseiras que penso e escrevo. Sou "opiniosa" demais – disse meu avô uma vez, completando que mulher de muita opinião é um perigo. Case, sim. Não passe por essa vida sem saber o que é sobreviver às aporrinhações sistemáticas do outro que você geralmente ama e quer tanto (e tanto) bem.

Imagem: Google Imagens.

12 comentários:

Fabiana disse...

Isolda, adorei seu texto! Apesar de amar a vida de casada, realmente as apurrinhações são inevitáveis e chegam a tirar o restinho de sanidade que tenho! Eu acho que cada fase da vida tem "limites" e "regras" diferentes. Quando bebê, nós dependiamos para tudo dos nossos pais, quando criança, nada de enfiar o dedo na tomada, quando adolescente, nada de namoro, quando jovem, a obrigação é estudar e quando casado as obrigações e regras triplicam, rs. O mundo é assim, a vida é complicada, mas só de pensar em passar a velhice só, sem ninguém pra esquentar meu pé, dá tristeza, rs. Além de tudo amar e compartilhar diariamente da vida de quem nos faz bem é maravilhoso! Bjs! Apareça para nos fazer feliz qualquer dia desses!

vitorluz disse...

Adooooro os textos da Isolda! Ameiii Isoldinha hahaha ME DIVIIRTO! Voou ver se vou casar viiiu... Tem que ter muita disposição né, renúncia, flexibilidade, amor...

Enfim!
Viva o casamento, OS BONS! hahaha
=**

Anônimo disse...

Ai Isolda... eu tinha medo de casar porque meus pais tiveram um casamento infeliz, aliás na minha família quase todo mundo separou ou vive mal casado. Mas sabe: me surpreendi! Estou casada há 3 anos e meio e amo a vida de casada. A gente conversa muito e ri muito junto também. Antes de brigar pela tal "toalha molhada em cima da cama" eu penso nas coisas que ele faz de bom, que são milhares e muito maiores que uma toalha molhada. Rotina tem mesmo, tédio também às vezes, mas considero isto natural, a gente "se abusa" também do trabalho, da comida, até da mãe da gente. Casar foi a melhor coisa que fiz na vida. Abrir de mão de algumas coisas, mudar comportamentos, cobranças de todos os lados precisam acontecer pra gente poder receber outras coisas boas em troca. O segredo é tolerância e respeito. Bom, esquece. Não tem segredo. Cada caso é um caso, aliás, cada Casal é um caso. Beijos!
Katiuscia Malafaia

Mariana Barros disse...

ISOLDAAAA.

:D

eu simplismente ameei esse texto. é incrivel, mais eu quase SEMPRE me identifico com seus textos. Mais esse foi demais :D

ameei de verdade.

beijos, saudades.

Rafael Belo disse...

O importante é ter jogo de cintura, saber que é desnecessários dizer certas coisas em certos momentos ainda mais se você bem conhece sua parceira amada rs... As brigas acontecem, as provocações, mas acima de tudo há aa oAmor ah o amor rsrs beijos querida ótimo texto! saudades!

Edmo Nascimento disse...

Poxa Isolda, gostei muito desse texto. A vida de casado é isso mesmo que você descreveu ai. Um saco. Mas só se sabe quem já passou ou passa por isso.
Grande abraço.

J. Neto disse...

Sensacional! Um dos melhores textos sobre relacionamentos que já li. Não sou mulher, sou homem, mas já fui casado e sei. É barbada.

Se pra vocês as vezes não é bom, imagine para nós (?). E é verdade quando diz na parte final: só o amor (mesmo!) salva. :)

PS: posso copiar o texto para meu blog com os devidos créditos (claro!)?... Aguardo sua resposta.

TFNS disse...

Ansioso para amar e ser odiado e vice-versa

Helena Frenzel disse...

Se eu tivesse que definir o meu casamento usaria várias palavras, menos tédio, saco ou essas irritações comuns que se ouve falar. Palavras-chave seriam amor, confiança, companheirismo. Sei lá, cada caso é um caso (basta ler os diversos comentários a este texto). Parafraseando Tom Hanks (atribuíram esta frase a ele, não sei se procede): vida de casado é uma maravilha, só depende de quem você escolheu para casar. Acho que vai por aí. Tem dias de putaquepariu sim, mas a reconciliação que segue é tão legal... Um abraço fraterno!

Jamylle Bezerra disse...

É isso aí Isolda. Ainda não passei pela experiência, mas imagino o quanto deve ser complicado. No geral, o relacionamento com "o outro" é sempre muito complicado... mas quando existe amor e carinho tudo acaba bem,né verdade? Brigas e discussões são temperos da relação.

Beijos querida!!!!

O Divã Dellas disse...

Por isso eu sempre dizia que não bastava ser homem, tinha quer ser palhaço para me fazer feliz...
Tá vendo que não penso sozinha?
Abraço,
Cinthya

Mima D. disse...

Muito bom este seu post!
Todas as vezes que eu dizia isso, era muito criticada por ser tão azeda...
Descobri este lugar através das meninas de "O Divã Dellas" e pode ter certeza que virei fã.
Você escreve muito bem!
Bjs