27 fevereiro 2011

Casar

Uma amiga que está louca para se dar em matrimônio perguntou como é casar, estar casada. Eu sei lá. Nunca parei para pensar nisso, talvez porque a palavra ca-sa-men-to (polissilábica, vejam!) seja muito pesada para mim, que não encaro ser chamada de “esposa” por ninguém nem me referir ao outro como “esposo” e/ou “marido”. Parece infantilidade, não? São só palavras. Não custa nada pronunciar uma vez aqui, outra acolá. Mas é assim que sou – apesar de dividir teto, contas, experiências, amarguras e eteceteras com a pessoa amada.

Outra menina acha um absurdo eu não usar aliança e veio com mais questionamentos:

- Ele também não usa?
- Não. – respondi.
- Ah, assim não tem a menor graça – acho que foi exatamente a expressão que ela usou enquanto me lançava um olhar cheio de reticências.

E persistiu:

- Mas nunca pensaram em usar?
- … (minha vez de ser reticente).

Não disse a ela ali, mas a vocês vou dizer: já pensamos em usar as tais alianças sim. Isso é coisa que passa, em algum momento, pela cabeça de quem está muito junto como ele e eu. De repente fizemos algumas perguntinhas a nós mesmos (nada que denote discutir relação ou coisa parecida): por que, para que, para quem? Nenhuma resposta foi razoável e, à vontade, argumentei:

- Usar aliança não, amor. De todo jeito tem que tirar para lavar os pratos!

Caímos na risada no meio da sala e fim de papo.

Não repudio o casamento, tampouco o considero uma instituição falida se pelo menos um dos sócios for um grande empreendedor (melhor que sejam os dois, claro). Apenas não faz parte da minha realidade, verdade. Nem figura como um dos meus vocábulos preferidos no dicionário. E agora vai parecer adolescente, mas cultivo esta vontade absurda de que meu relacionamento seja um namoro para sempre.

Imagem: Google Imagens.


Poderá gostar também de "Factual".

15 comentários:

Helena Frenzel disse...

Oi, Isolda, acho que entendo esse sentimento que descreveste. Cada casal é um caso diferente e o problema é que muitos não aceitam a escolha daqueles que não querem se enquadrar em modelo algum, querem simplesmente viver suas escolhas livremente, sem cobranças, sem neuras. Eu e meu marido, por exemplo, somos um casal que alguns diriam 'conservador'. Usamos os rótulos comuns sem problemas e foi uma alegria escolhermos as alianças, vivermos o ritual de trocá-las no noivado e depois no altar. Bom, neste caso, nós dois queríamos esse modelo e que bom nos sentirmos livres para escolhê-lo (ou não!). Na verdade, muitos de nós nos fazemos escravos das regras dos outros e suas expectativas, e deixamos de lado o que realmente nos faz feliz. Um exemplo rapidinho: a imagem da típica feminista, significativamente quebrado por Simone de Beauvoir ao dizer adorar ir pra cozinha, pôr um avental e lavar pratos quando um seu amante todo especial vinha lhe visitar, só pelo prazer de fazê-lo, e daí? É por aí: viva a liberdade! Um abraço fraterno.

Omar disse...

O verdadeiro casamento, independentemente das alianças e de como nós chamamos, dar-se no campo do sentimento, da alma. Parabéns, pelo artigo, mas uso aliança. rsrsrsr

Jamylle Bezerra disse...

O problema que vejo nos casamentos hoje em dia é que eles se tornaram uma forma de dar satisfação às pessoas. Ser feliz parece que é o que menos interessa. Gosto de atitudes como a sua, onde o que vale é o sentimento.

Beijos e bom domingo!

FANÁTICO CAMISA 10 disse...

Depois te tantas humilhações e sofrimento que eu passei ao longo dos meus relacionamentos, cheguei a conclusão que prefiro ficar solteiro. Caso apareça uma mulher vou namorar, mas o sonho de casar não quero. Por favor, não me crucifiquem. Só quero que entadam o meu motivo e o meu pensamento!

Parabéns Isolda pelos textos, sempre frequento o seu blog, pq vc escreve muito bem! Um abraço do amigo!

Kleverton Journaux disse...

Cada vez que leio suas postagens me surpreendo com a qualidade do que / como você escreve. E há uma sintonia no seu modo de pensar com o meu. Abração, guerreira!

Mariana (: disse...

kkkkkkkkkk
Isolda em certo ponto combino com você. Esse negocio de casamento depois de tanto tempo convivendo com uma pessoa acaba virando uma vontade que passa, outros planos vem na frente de 'casar' kkkkkkkkk.

beijooos ♥

O Divã Dellas disse...

Quando eu casar eu quero tudo que eu tenho direito: Amor, compreensão, companheirismo e muitas gargalhadas. Aliça há tempos deixou de ser simbolo de vida longa ao amor de ambos.
Existem coisas muito mais importantes com que se preocupar do que meras regras pré-impostas.

Parabéns, Isolda!

Aposto que você é muito mais casada que muitas mulheres que disseram sim diante do padre e usam alianças que mais parecem um dedal de tão grossa.

Verônica

Fabiana disse...

O que seria um casamento? um mero pedaço de papel? Qual diferença entre morar junto e ter seu nome e de seu marido assinado num pedaço de papel? Pra mim isso é pura tolice. Esposo, esposa X namorado, namorada, o que títulos significam: NADINHA. O que importa é o sentimento e o que um faz pelo outro, isso sim vale a pena.
Estar casada para mim é pura magia, diariamente e a cada instante desejando agradar o outro e ser amada da melhor forma. E usar alianças, para mim pessoalmente, só mostra o quanto sou feliz e realizada com outra pessoa.

Saudades!

Bjão!

PS: O sentimento de querer que seu relacionamento seja sempre um namoro, creio que não seja coisa de adolescente, e sim de quem é feliz e sabe o que quer.

Eraldo Paulino disse...

Eu também não sou de seguir a tradição por seguir (apesar de não ter nada contra quem segue), mas desde a minha adolescência me almejo um bom casamento.

Não sonho com uma princesa, mas sim com alguém que valha a pena realizar a tradição da longevidade.

Vamo ver...

Bj!

Ideia² disse...

AMEIDEMAIS esse texto.
Parece q essas palavras são meus pensamentos traduzidos.
Meus pais não se casaram "no papel", e nem usam alianças. Acredita q mtas pessoas não "reconhecem" o casamento deles como CASAMENTO! Apesar de estarem a mais de 20 anos juntos?
Vou me casar, no papel, e ainda hoje,sendo apenas namorada ,uso aliança.Mas tanto eu,como ele sabemos q é só um simbolo. Não vai impedir uma infedelidade se tiver q acontece, eu sempre digo.
Mas não tenho vontade de vestido de noiva,casar na igreja,etc...
Mta gente acha que NÃO vai ser DE VERDADE, se assim não for.
Por isso TUDO achei conforto no seu texto,mesmo q os motivos sejam outros.
Virei fã DE PRIMEIRA!!
http://ideiaoquadrado.blogspot.com/
Beijos!!
@WelenMedeiros

monica mosqueira disse...

A ultima frase (ou pelo menos a idea dela)é show!

Se deixam de ser namorados depois que casam,ou moram junto,perde muito a graça.

Janine disse...

Estava justamente pensando nisso esse dias. Para desgosto da minha mãe e da minha avó, eu como filha/neta mais velha e próxima disso, nem sei mais se quero casar. Pelos mesmos motivos que vocês se perguntaram sobre o uso das alianças; pra quê? por que? Pra quem? Vai entender a mulher moderna de hoje!

Bjão Isolda!

Estado de Ira disse...

Isoldita, adorei o texto, rsrsrs.
EStou rindo aqui e pensando que essa galera é meio doida mesmo né?
Às x as tais alianças representam mais que o sentimento ou o relcionamento em si. É por isso que as coisas hj em dia estão como estão :D
Eu pretendo casar, mas que demore ainda mt tempo...
Bjão

Rafael Belo disse...

Adolescente não! Real! para sempre e por toda a lembrança! Belas expressões caríssima Is, ainda saudoso de ti bj

Metamorfose Ambulante disse...

Cansei de lavar pratos e roupas com a aliança. Não é necessário retirá-la. Agora não uso, o dedo engordou e ela ficou apertada. Fazer outra já é pedir demais."Uma vez só está bom", falei para minha mulher. Ela aproveitou e "perdeu" a dela. O casamento continua ....