19 setembro 2011

As coisas como elas são

Você diz que eu sou essa mulher que ama.

E se eu dissesse que gosto de homem frouxo? Que como melancia com farinha. Que minhas calcinhas de dormir são furadas e com o elástico solto. Que não frequento missa nem curto culto. Que nunca gostei de bonecas de plástico. Que só uso absorvente interno. Que vivo futucando a unha do pé. Que ronco à noite. Que babo. Que acordo com os dois olhos cheios de remela.

E se eu admitisse que tenho pesadelo todas as noites? Que não usaria fio dental na praia. Que, às vezes, durmo sem escovar os dentes. Que odeio tomar remédio. Que fui infeliz na infância e no primeiro casamento. Que não bebo. Que sou usuária de uma droga ilícita. Que detesto fumaça de cigarro. Que adoro fumaça de incenso. Que toco violão deprimentemente. Que belisco bebês. Que dou água da torneira para as visitas menos íntimas. Que minto.

E se eu saísse pelada pela rua deserta numa noite escura? E me apaixonasse quase todos os dias por uma pessoa diferente. E sentasse em mesa de bar com desconhecidos. E furasse o dedo andando descalça. E atropelasse o vizinho com uma bicicleta. E dormisse cheirando um pano sujo. E passasse madrugadas acordada. E fingisse que não ouvi o telefone tocar.

E se eu apanhasse e nunca prestasse queixa? E não soubesse cozinhar. E tivesse roubado uma vez na vida. E não respeitasse meus pais. E vomitasse tudo o que como. E não sorrisse mais deliberadamente. E provasse que tudo mais é apenas sua imaginação.

Você me amaria do mesmo jeito?

Imagem: Google Imagens.

3 comentários:

Edla disse...

Lindo texto. Parabéns por suas singelas porém tão profundas palavras.

Armando Bortolini disse...

Uauu!

Eraldo Paulino disse...

Engraçado...

Hoje pela manhã eu pensei uma frase do nada: Se você não for do jeito que eu sonho, se for do jeito que eu sonho ou mesmo se for do jeito que eu sonho e amanhã não mais, eu te amo só por isso.

Acho que meio que tem haver com teu pequeno tecido de sensibilidades exposto lindamente aqui.

Bjs!