04 abril 2012

Esperando um furacão



É verdade. Estou afastada desse blog. Mas não somente dele: dos outros blogs, dos livros, do cinema, da música. Um verdadeiro calvário. Tudo isso por conta de uma novidade que já não é tão nova para muitos aqui – imagino. Estou grávida! Assim mesmo, com exclamação e tudo. É minha gravidez primeira, passei as treze semanas iniciais e até já me sinto melhor com tudo e comigo mesma por causa disso. O comecinho foi dose para leão.

Acho que não é justo dizer que a gravidez me roubou a inspiração, a paciência, então, no máximo, direi que ela as tomou para si. Fica até mais bonitinho e não agride o filhinho ou a filhinha a caminho. As descobertas desse momento são muitas, é uma espécie de redescobrimento – e confesso: imaginava que sabia mais de mim. Engodo. Todos os dias viro a montagem de outra pessoa que, em essência, continua a ser eu, entretanto, já olha e avalia as coisas da vida de outra maneira. Pois é, tudo o que já disseram sobre maternidade é verdadeiro; estou na fase do repeteco.

Esse período que vivo rememorou a canção que é um clássico para as grávidas: Grávida. Composta pelo Arnaldo Antunes, mas disseminada lindamente na voz da Marina Lima. Adoro os dois e agradeço à gravidez por ter me devolvido a lembrança musical escondida há anos. Estar grávida, especialmente nessa primeira viagem que enfrentamos (e aqui incluo a fundamental presença do papai Julio Onofre), é esperar um furacão mesmo. No sentido de intenso, devastador da personalidade anterior à de mãe e de pai que também estão para nascer.

Gravidez tem um quê de terremoto, de bomba, mas de flor. Ainda me admira um homem alcançar esses versos de maneira tão precisa como na música. Estou grávida, na ansiedade de quem espera um avião chegar com a pessoa amada dentro. De sensações e sentimentos misturados no liquidificador. E vou parir um novo ser, como deve ser. E vou parir outro ser, que serei eu.

7 comentários:

O Divã Dellas disse...

ISOOOOOLDA!
Você dá conta do recado direitinho! Que lindo post... E como eu conheço esse processo maravilhoso pelo qual vc está passando!!!. Olha, é só o início... Daí pra diante é tudo intenso, mágico, sério, forte, lindo... Como tem que ser.
Beijos,
Cinthya

J. Neto disse...

Que lindo!

Fico muito feliz por você! Parabéns!

Que Deus abençõe à ambos; mãe e filhinho.

Abs!

Anônimo disse...

Textos sempre pertinentes e com um tom de poesia. Feliz por vc, Isoldita. Tudo de bom. Excelente texto, parabéns por estar vivenciando um momento tão mágico.

Abraço, Deisy Nascimento

Anônimo disse...

Menina, vc gera e pare palavras lindas e sentimentos nobres com frequência! Um filho parido por vc certamente será um ser especial... Serão nove meses de amadurecimento para uma vida inteira de aprendizagem!!

Parabéns pela dádiva!

Beijos!!!


Saúde aos dois!

Verônica

monica delazari disse...

Percebi seu sumiço mesmo..rs

Helena Frenzel disse...

Parabéns, Isolda. Uma postagem pra você, no Bluemaedel - Matemática do Espírito. Aproveite, aproveite, curta o máximo este momento e prepare-se também para o pós-parto. Depois do nascimento, provavelmente, passará um bom tempo sem sequer poder pensar em você mesma. Filhos trazem consigo muito trabalho, mudanças, aborrecimentos até, mas, uma vez conosco, difícil imaginar a vida sem. Um abraço fraterno!

Eraldo Paulino disse...

Que lindo.

Eu sempre digo que "ser um homem feminino não fere o meu lado masculino".

Nunca vou ser mãe, mas, fazendo eco à perfeição de sua escolha musical, penso que nos colocar, ainda que poeticamente, no lugar das mulheres, só nos faz enriquecer em sensibilidade e força.

Bjs de quem aguarda novas partilhas desse momento que vives!