30 março 2014

Roupas são só roupas?


Google Imagens
Estava pensando aqui sobre essa coisa de ter, ter e ter cada vez mais roupas. No que pode querer dizer, realmente. Como não sou estudiosa no assunto e não desejo, nessa manhã bonita de domingo, bancar a simples pitaqueira, melhor contar coisas que me aconteceram e tirar daí algum pano para manga. 

Uma vez, éramos adolescentes ou recém-saídos da adolescência, um rapaz me jogou a seguinte declaração: você é bonita, mas veste umas roupas estranhas. E era uma situação de paquera! Outra vez, outro moço me cobrou por vestir as mesmas roupas em dias comuns e em dias de festa. Hum. E tem gente que acha que homem não repara em roupa, estria e celulite. Nas duas ocasiões fiquei sem graça. 

Na verdade, nunca tive grana para vestuário. Morei quatro anos na Paraíba, enquanto fazia faculdade, e lembro bem de ter comprado lá uma bermuda jeans e uma blusa branca. Só. Depois me formei, trabalhei, ganhei um dinheirinho honesto no meio do caminho e continuei sem ver esse tipo de despesa como fundamental. É apenas um item, não é prioridade. 

Divido o guarda-roupa com meu marido e todas as vezes que falta espaço não penso em um móvel maior, e sim, em desocupar o ambiente. “Deve ter coisa inútil aí”, imagino logo. E sempre tem. Não sou o tipo de pessoa que teria um closet, pois não comungo da ideia de dedicar um cômodo da casa para roupas e sapatos. Na verdade, gosto de reaproveitar, faço com satisfação e cada vez mais, não apenas com vestuário. E isso já não me deixa sem graça, pelo contrário. 

Ganhei as mais recentes críticas quando comprei algumas peças de roupa para meu filho num brechó. Lindas e conservadas. Mesmo dentro da família houve oposição. Elogiavam o bebê pela beleza do visual e quando eu dizia que era de segunda-mão quase me pediam o elogio de volta. Uma pena.

E pensar que as coisas mais gostosas da vida dá para fazer pelado... 

p.s: é utópico, mas já parou para pensar que se todos os bens materiais parassem de ser produzidos hoje, a humanidade conseguiria viver bem e com dignidade apenas com o estoque por muitos e muitos anos?

Um comentário:

Rafael Belo disse...

roupa pra quê, adoro chegar em casa e tirá-la sem ser acusado de tentado a puder e meter os pés descalços no chão ;D Boa querida Is, ainda chego lá, peça por peça, mas sempre doo pacas :D